11 de setembro de 2013

reflexos brancos e frios no inverno da montanha e um verso oculto



A manhã invade o tempo e escoa  sob meus pés. Lembranças respingam no silêncio da  memória. O nevoeiro desce pela mata adormecida e aninha-se perto das águas.
Vem caindo há dias inteiros a chuva, enquanto mastigamos as horas. Só agora posso ouvir a tua voz que vem dali, no vento que te acompanha.
Depressa, andas. Protejes tua cabeça que o teu corpo esfria  e, quando quiseres, olhas-me. Plantarei lírios brancos, rosas, a hortelã do campo.
Os pássaros cantam junto ao murmúrio das nascentes, borboletas pausam distraídas na cor da tarde. Procuram secretamente os ecos escritos nos rastros da lua.
Apressas-te, iluminas a tua face mansa. Quando as sombras incandescentes curvarem-se sobre o horizonte, novamente colherei  estrelas nos meus dedos à deriva dos teus olhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bons ventos tragam você!
Grata por comentar.